fbpx

Carrinho de Compras

fechar

ENVIO IMEDIATO ATÉ 48 HORAS | ENVIO GRÁTIS EM COMPRAS SUPERIORES A 40 €

Conselhos de Saúde

Conselhos de Saúde

É ALTURA DE PERDER A VERGONHA E FALAR SOBRE DISFUNÇÕES SEXUAIS!

É ALTURA DE PERDER A VERGONHA E FALAR SOBRE DISFUNÇÕES SEXUAIS!

Existem algumas disfunções sexuais que podem afectar os homens e que podem ser a razão para que o dia dos namorados não seja tão perfeito: a ejaculação prematura, a disfunção eréctil, a perda de libido ou mesmo o excesso de desejo.

Muitas vezes, a causa destas disfunções sexuais está relacionada com a testosterona. Esta hormona “sincroniza” o desejo com o próprio acto sexual, regula o início e o fim de uma erecção. Assim, a testosterona encontra-se no “centro” da masculinidade, mas os seus níveis não são estáveis nem consistentes. A redução ou ausência de sexo reduz a quantidade de testosterona produzida pelos testículos e, com a restauração da actividade sexual, os níveis normais voltam a surgir. Por isso, a melhor cura para a perda de libido é realmente começar novamente a fazer amor.

A ejaculação prematura é, muitas vezes, confundida com a disfunção eréctil, mas são condições completamente distintas. Na ejaculação prematura, a erecção é normal, mas a ejaculação ocorre antes ou cerca de 1-2 minutos após penetração vaginal. Por seu lado, a disfunção eréctil consiste numa incapacidade constante de alcançar e manter uma erecção suficiente que permita um desempenho sexual satisfatório. A ejaculação prematura é uma das disfunções sexuais masculinas mais frequentes nos homens com idade inferior a 60 anos e, no entanto, é uma das menos diagnosticadas e menos tratadas. Embora 20% a 30% da população mundial masculina refira sofrer de ejaculação prematura, apenas 9% procura ajuda junto do médico. Falar de problemas sexuais é muitas vezes difícil, e desencadeia habitualmente sentimentos de vergonha e ansiedade.

Todas estas disfunções têm um impacto significativo na qualidade de vida do homem e afecta adversamente a relação do casal: 44% dos homens afectados pela disfunção referem sentimentos de frustração, 36% ansiedade e 20,4% depressão. A dificuldade em fazer amor não é uma doença em si mesma, mas sim um sintoma de um ou mais problemas. O ato de fazer amor requer nervos que transportam sinais sensoriais ao cérebro, permitindo que sejam realizadas ordens, artérias que permitem que o sangue flua até ao pénis e veias que previnem o fluxo sanguíneo para o exterior do mesmo, para além de um sistema hormonal equilibrado. Qualquer destes intervenientes pode ter problemas e têm de ser identificados! É a altura certa para perder a vergonha e falar com profissionais de saúde que vos podem ajudar a namorar em pleno!

 

Referências :

http://www.eucontrolo.pt/

Naeinian, M. R., Shaeiri, M. R., & Hosseini, F. S. (2011). General health and quality of life in patients with sexual dysfunctions. Urol. J. 8, 127-131.

Ribeiro, J. P., & Santos, A. (2005). Estudo exploratório da relação entre função eréctil, disfunção eréctil e qualidade de vida em homens portugueses saudáveis. Análise Psicológica, 3(23), 341-349.

Scroll To Top
Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso site. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.