fbpx

Sign in

fechar
Create an Account

Carrinho de Compras

fechar

ENVIO IMEDIATO ATÉ 48 HORAS | ENVIO GRÁTIS EM COMPRAS SUPERIORES A 45 €

Conselhos de Saúde

Os micronutrientes que podem reduzir a ameaça do covid-19
Conselhos de Saúde

Micronutrientes podem ser a chave para a redução da ameaça da COVID-19

Micronutrientes podem ser a chave para a redução da ameaça da Covid-19

A conclusão é de uma investigação recente, desenvolvida por um grupo de cientistas da Noruega, Suécia e Rússia. Segundo o estudo publicado na revista Nature, a falta de micronutrientes específicos pode ajudar a explicar o porquê de surgir uma resposta inflamatória grave em doentes com Covid-19.

A Covid-19 parou o mundo, obrigando a novos hábitos e novas formas de vida. Enquanto todos regressam, cautelosamente, à nova normalidade, a procura por um tratamento ou uma vacina parece ser cada vez mais urgente. O principal objetivo é controlar ou mitigar, de forma eficaz, a resposta hiper-inflamatória e potencialmente letal causada pelo novo coronavírus, que pode danificar o tecido pulmonar de alguns doentes.

Seguindo por um outro rumo e apresentando uma abordagem diferente, um grupo de cientistas noruegueses, suecos e russos aponta a falta de micronutrientes específicos como uma possível explicação para a violenta resposta imunitária, que contribui para a mortalidade da Covid-19. Entre estes elementos estão o selénio, o zinco e a vitamina D.

 

A nossa alimentação por vezes é desiquilibrada e insuficiente

Apesar de receber agora um maior ênfase, dado o contexto atual, este não é um tema novo, uma vez que já é conhecida a importância destes nutrientes, em especial do selénio e da vitamina D. No entanto, estes apresentam-se em quantidades insuficientes na população ocidental, devido, entre outros fatores, a uma alimentação cada vez mais desequilibrada e a um cada vez menor tempo passado ao ar livre.

Recorrendo a artigos sobre zinco, selénio, vitamina D e Covid-19, publicados entre 2010 e 2020, os cientistas reuniram evidências científicas suficientes para suportar a hipótese de que estes três micronutrientes podem, de facto, contribuir para a proteção contra o SARS-CoV2, bem como mitigar o decurso da doença.

Uma vez que não existe, ainda, qualquer tratamento nem qualquer vacina, e tendo em consideração que a Covid-19 é uma doença que afeta particularmente os mais velhos, faria sentido atender à deficiência destes micronutrientes, que se vai acentuando com o avançar da idade. Por isso mesmo, são várias as justificações para o recurso ao selénio, ao zinco e à vitamina D no reforço do sistema imunitário.

Eis algumas das principais propriedades, benefícios e factos sobre estes micronutrientes:

Zinco
• O zinco é essencial para o desenvolvimento e a manutenção das células imunitárias, bem como de outro tipo de células. É já um facto conhecido que a deficiência em zinco aumenta a inflamação e os biomarcadores inflamatórios;
• A falta de zinco afeta, comprovadamente, o sistema imunitário, especialmente a função das células T;
• Alguns casos reportados registaram recuperações de sucesso da Covid-19 em doentes tratados com suplementos de zinco. O zinco pode, ainda, ser eficaz no controlo da resposta inflamatória hiper-activa verificada na Covid-19, mas também no tratamento contra o agente SARS-CoV2.

Selénio
• A deficiência de selénio pode ter impacto, não só ao nível da resposta imunitária, mas também no que respeita à patogenicidade de qualquer vírus, o que faz com que este seja um particularmente importante micronutriente. Um estudo recente da China reportou uma taxa de cura da COVID-19 mais elevada em doentes com elevadas concentrações de selénio;
• Algumas das mais potentes selenoproteínas na proteção contra a hiper-inflamação requerem um aporte de selénio de mais 100 microgramas por dia, o que é mais do que aquilo que as pessoas conseguem obter através da sua dieta do dia-a-dia;
• Investigação levada a cabo pela cientista americana Melinda Beck demonstrou que um hospedeiro com deficiência de selénio é bastante mais vulnerável a infeções respiratórias, que de outra forma seriam inofensivas, quando comparando com um hospedeiro com níveis de selénio adequados no organismo.

Vitamina D
• A vitamina D estimula a maturação das células imunitárias, sendo que estudos epidemiológicos sugerem uma relação inversa entre os níveis de vitamina D no sangue e os marcadores inflamatórios, como são o CRP e o Interleukin-6;
• É comum observar deficiência severa de vitamina D em doentes críticos. Em doentes com idade mais avançada, a deficiência severa de vitamina D é considerada um factor de risco independente para a pneumonia adquirida pela comunidade;
• A deficiência em vitamina D encontra-se associada ao agravamento da inflamação do pulmão, o que leva ao agravamento da síndrome de distress agudo respiratório (ARDS), bem como de outras complicações;
• Ficou, já, demonstrada a capacidade da vitamina D de reduzir a resposta inflamatória, sem alterar atividade anti-viral nos tecidos das vias respiratórias afetados com doença respiratória viral (RVD).

 

Pode consultar aqui suplementos alimentares que têm na sua composição estes micronutrientes veja aqui os suplementos da marca Bioactivo Selénio e Zinco e Vitamina D .

 

 

 

Scroll To Top
Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso site. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.